Meu Marido Me Pediu Para Dar Para Outro Homem


Meu nome é Paula, sou casada a 5 anos tenho três filhos, tenho 30 anos de idade, sou morena 1,68 m de altura 65 kg, bem resolvida, temos uma boa condição financeira, casa, carro, apartamento, sítio e uma micro empresa de publicidade. Meu marido tem 39 anos, 1,68m de altura, 85 kg, bonito e acima de tudo muito educado. A nossa família sempre esteve em primeiro plano até mesmo porque assim fomos criados, cheios de tabus e até alguns preconceitos. A nossa vida sexual no início do nosso casamento foi muito boa, pois casamos praticamente virgens, já que ele tinha tido bem poucas experiências sexuais e eu nunca tinha tido com ninguém.

Nervoso

Retirado do Net

Não havia outra descrição possível para André naquele momento. Enquanto o elevador subia para o 17º andar, ele pensava no que estava para acontecer. Tentando disfarçar da câmera interna, esfregava o pau por fora da calça para ver se ficava duro logo, para não fazer feio.
Seria essa a razão daquela adrenalina toda que sentia invadindo seu corpo?
O medo de broxar?
Certamente. Afinal não é todo dia que se come a amante de um amigo, muito menos “junto” com o amigo. Ménage à Trois ele já tinha feito, mas com duas mulheres, e ainda por cima putas!
Pagando, tudo é mais fácil. Fica fácil ser o senhor da situação. Foda era agora, com outro homem, amigo de risadas e negócios, que era na verdade o senhor da situação.
“Foda-se!” pensou André:
“Tô no inferno, vamos abraçar o diabo…”

Cedi, Experimentei e Gostei


Fred sempre foi um homem fascinante. Bonito, bem de vida, um humor fantástico, dono de uma inteligência incomum e um amante capaz de esgotar a libido de qualquer mulher. Porém, incapaz de reconhecer a palavra fidelidade. Com ele, tive que apagar a palavra ciúme do meu vocabulário. Valeu a pena.
O fascínio por ele me fez tão submissa que eu topava suas maluquices. Assim, provei pela primeira vez o gosto de uma mulher. Foi uma experiência devastadora, paradoxal, antecedida de uma negociação tão intensa quanto excitante. Não que eu fizesse jogo duro. Tinha certo medo, mas queria experimentar. No fundo, sabia que ia ceder, embora, último minuto, quase tenha desistido.
A garota era linda, assustadoramente linda. Bastou um beijo e foi ela quem me segurou o rosto e colou os lábios nos meus. O bastante para que aquela beleza se transformasse numa fonte de desejos incontroláveis e de prazeres especiais que ainda não conhecia.

Eu, Meu Namorado e Minha Amiga

Autor: Camilinha

“Se você quiser te empresto o Beto para tirar esse atraso”.
Até hoje não sei por que disse aquela frase. Mas o pior foi à resposta de Cris:
“Amiga, se você estiver falando sério eu vou aceitar, pois estou subindo pelas paredes”.
Caímos na risada e ficamos alguns segundos quietas. Quebrei o silêncio:
“É só você me dizer o dia”.
Ela disse:
“Amiga, por mim seria hoje mesmo”. E continuou: “O negócio está bravo aqui”. Mais risos. E finalmente perguntou: “Você está falando sério?”.

Fui a Tia Que Ele Sonhou 2

Retirado da Net

Naquela noite quase não dormi, ciente de que havia cometido o mais grave erro da minha vida. Nos dias que se seguiram, tentei de todas as formas explicar e justificar a mim mesma o que havia ocorrido. Procurei motivos em todos os ângulos do comportamento humano, na tentativa de aliviar a vergonha e o arrependimento que me dominavam.
Concluí que o fato de eu jamais ter tido qualquer relação sexual fora do casamento e ser, portanto, totalmente inexperiente, havia sido o fator decisivo. Meu marido fora o único homem com quem eu havia transado em meus 42 anos de vida e isso, seguramente, havia guardado inconscientemente em mim curiosidades que eu não sabia ter, mas que instigadas se mostraram incontroláveis.

Fui a Tia Que Ele Sonhou

Retirado da Net
O que passarei a relatar a seguir ocorreu há bem pouco tempo, menos de seis meses. Ainda vivo sob a tensão dos fatos, pelos quais jamais imaginei passar.
Tomei a iniciativa de falar sobre o que aconteceu, aqui nesta página, depois de ler a experiência vivida por um rapaz que se denominou James e suas tias Sônia e Elisa. Fiquei muito impressionada com o que li e como as coisas que aconteceram comigo foram bastante semelhantes cheguei a remeter-lhe uma mensagem, para que pudesse conversar, com ele ou com suas tias, a respeito de nossa situação, mas não obtive resposta, infelizmente.
De qualquer maneira, ter tomado conhecimento do que aconteceu entre eles me fez bem pois, além de me encorajar a contar o que passei, me mostrou que não sou a única pessoa a cometer o que considero um erro e o que me faz sentir-me uma mulher bastante confusa.

A Esposa Gostosa do Meu Amigo

Autor: Paulo

Os Personagens dessa história poderiam ter qualquer nome, mas são esse: Eu. Paulo 38 anos, 1,75m moreno. Sou uma pessoa bem comum. Não sou super em nada.
Minha esposa se chama Cláudia 34 anos, baixinha morena com longos cabelos negros lisos. Mulher bonita e chama bastante atenção.
O casal amigo é formado por Marcelo com 42 anos, bem mais alto que eu e bem branco.
Silvia é sua esposa. Deve ter 1, 70 pois com salto fica um pouco maior que eu. Longos cabelos loiros e pele bem clarinha. Eu acho seu corpo delicioso. Também tem 34 anos.

Como Tudo Começou 2




Eu já estava alta demais por causa da bebida assim que entramos no quarto deitei na cama e me preparava para dormir quando o meu marido me falou:
- Você não vai dormir enquanto não me explicar esta história direitinho.
Então eu disse:
- O que você quer sabe Marcio?
- Quero que me conte tudo o que vocês conversaram!
- Você quer sabe mesmo o que ele me falou?
- Sim e sem mentiras!
Então comecei a contar tudo para o meu marido, disse que tinha indo ao banheiro e que ele havia mexido comigo, depois retornei ao banheiro e de novo mexeu comigo, que trocamos olhares um com o outro, que quando o meu marido foi ao banheiro que ele veio à mesa e me deu o número do celular e pediu para que eu ligasse para ele e que também quando ele me abraçou por trás ele me beijou o pescoço e a orelha e que eu havia sentido o volume na calça dele apertando a minha bunda. Quando terminei de dizer Marcio me falou:

Apenas um Especial 2


Fonte: Vera Mello

Então veio um súbito silêncio entre nós, apenas o som da música dominava o ambiente e o Afonso começou a beijar e mordiscar minha nuca e veio com sua outra mão acariciar minha xoxota.
Fiquei numa total troca de olhares com o Ed com a cabeça do Afonso atrás da minha navegando em meu pescoço (adoro isso!) ..., e eu ali com aquele outro homem se transformando em macho na minha frente, me fitando diretamente nos olhos e comigo retribuindo, suas mãos já caminhavam muito além do meu pé, se estendiam pela minha perna massageando agora minhas coxas sua expressão se transformando e a minha também...
A química tinha rolado forte e os desejos foram surgindo de maneira sensual e também consensual... (risos).

Apenas um Especial

Fonte: Vera Mello

Na primeira vez que o Afonso me falou sobre sua fantasia, ou melhor, sua vontade, de compartilharmos as nossas intimidades com a participação de outro homem, confesso que fui tomada por um misto de surpreendentes sensações, mas de imediato absorvida por uma questão:
- Nossa..., mas você está mesmo falando sério, porque disso?
Na hora veio um medo por achar que existia algo errado, ou mudado, em nossa relação.
Refeita pelo impacto da inesperada pergunta, conversamos com profundidade sobre sua proposta e pude assimilar que, na realidade, a nossa boa história conjugal na cama, e fora dela, conspirava realmente em boas possibilidades para novas ousadias ligadas ao nosso “universo” de prazer, até porque, sempre curtimos ocasionalmente algumas inventividades picantes na hora de fazer nosso sexo, e noutras, o recato do nosso romantismo muito aconchegante no momento de fazermos Amor.

Esposa na Festa de Swing

Retirado da Net: Casa dos Contos

Escrever algo assim é uma experiência nova para mim e nem sei por onde começar. Nem em um milhão de anos eu sonharia estar sentando em frente a um computador digitando este fato que aconteceu há apenas alguns meses atrás. Eu pensei em escrever minha história por várias vezes e decidi que precisava fazer isso agora, mesmo porque a minha memória está mais fresca. Não sei por onde começar e não quero entrar em detalhes sem sentido do meu casamento, assim eu tentarei colocar os fatos importantes e ir diretamente para ao ponto. 
Conheci minha esposa, Paula, quando ela ainda estava no antigo 2º grau e eu ainda era calouro na faculdade. Nós namoramos durante cerca de 5 anos antes de casarmos. Ela era virgem quando a conheci e acredito ter sido o único homem a possuí-la até então. Ambos tivemos educação rígida e conservadora, especialmente minha esposa. Temos dois filhos pequenos. Levamos uma vida materialmente confortável, mas com o passar dos anos, como na maioria dos casamentos, nossa rotina sexual decaiu ao fundo do poço. Tentamos resgata-la de várias formas. Tudo que experimentamos teve um sucesso limitado, mas não foi o que esperávamos. 
A única coisa que excitava a ambos, era relatar nossas fantasias enquanto fazíamos amor.

Acabei Rodando em Nosso Primeiro Swing

Retirado da Net.

Sou casado há doze anos, com uma mulher muito encantadora e atraente, mas também bastante conservadora em seus princípios morais, principalmente em relações fora do casamento e eu há muito tempo alimentava uma fantasia erótica de participar de um swing com ela.
Mas passavam-se os anos e eu não descobria uma fórmula para que topasse a participar de uma experiência destas. Comprava revistas de contos eróticos que tratava deste assunto, alugava filmes pornôs, onde apareciam a troca de casais, acabava se animando um pouco, mas na hora H desistia da ideia.

Suruba Com a Namorada do Amigo

Retirado da Net.
Ano passado comprei meu tão sonhado carro importado e combinei com mais três amigos (todos com 26 anos) para viajarmos para o litoral numa praia aqui em SC onde tem muita mulher gostosa para dar em cima. Porém um deles, o Pedro estava namorando Andréia, uma garota muito gostosa, de 24 anos, morena “cavalona”, super bronzeada, peitos avantajados, um bundão estilo “Sheila Carvalho” que deixava todo mundo alucinado. Ela também era muito puta. Eu e meus outros dois amigos não nos metíamos, porque ela dava para Pedro à vontade, porém eu sabia que ele não dava conta dela sozinho. Já tinha ouvido algumas histórias do que ela aprontava por aí, mas ficava sempre na minha.

Como Tudo Começou 1

Retirado da Net: Fonte

Esta é a primeira vez que escrevo conto erótico, o que me levou a contar minha história foi o que se passou comigo e o meu marido. Sou casada há treze anos com o Márcio, não temos filhos, pois o meu marido é estéril. No começo do nosso casamento durante uns quatros anos a nossa vida sentimental era uma maravilha estávamos sempre nos divertindo fazíamos muito sexo, às vezes fazíamos amor quatro vezes ao dia, estávamos sempre com tesão um no outro e as coisas rolavam naturalmente. Depois de quatros anos de casados as coisas começaram a esfriar, meu marido não me procurava mais com aquela frequência que existia anteriormente entre nós, eu sentia muito, pois sempre gostei de sexo e as coisas haviam mudado, questionei várias vezes o Márcio e ele alegava sempre que estava cansado devido ao trabalho e com isso eu me satisfazia solitariamente, não demorou e começamos a discutir nossa relação, eu cobrava e ele sempre dava a mesma desculpa que estava cansado, que o trabalho estava matando ele, só que ele sempre tinha tempo para ficar com os amigos dele bebendo cerveja e eu sobrava.

Meu Exibicionismo

Autor: Cacau Gostosa
Cacau (fictício é claro), 26 anos e com pouco menos de 1,60m. Morena clarinha e cabelos compridos. Sou bem bonita. Onde quer que vá chamo bastante atenção devido as formas do meu corpo. Sei que minha bundinha é o meu cartão de visitas. Não sou uma puritana de carteirinha mas os fatos que narrarei aqui me fizeram rever os conceitos de relacionamento.
Conheci o Paulo na academia em que sou instrutora. Com 35 anos ele procurava recuperar o tempo perdido por anos sem malhar. Com 1,88 m, 92 kg, moreno e tatuagens pelo corpo chamou minha atenção de cara. E ele de mim. Contratou-me como sua Personal Trainer e logo nos primeiros dias me convidou para sair. Respondi que não misturava trabalho com prazer e ele me “dispensou” como sua instrutora.

Sem Medo de Ser Vulgar

Fonte: Outro clássico dos contos eróticos. Está em vários sites e blog do gênero. Parabéns aos autores.

Casei muito cedo, porém totalmente apaixonada pelo meu marido e, jamais imaginei que iria traí-lo, afinal, vivemos uma relação plena estável e feliz, mas nada como a situação para fazer o ladrão. E, a primeira traição, bom, essa ninguém esquece. No verão passado, resolvemos passar férias em nossa casa de praia no Litoral Norte, porque seriam apenas alguns poucos dias, mas já no primeiro, ele precisou retornar a São Paulo para trabalhar e, eu tive que me contentar em ficar sozinha durante a semana.
Sem companhia, meus passeios se resumiam à praia, shopping e supermercado e, foi justamente durante um deles que tudo começou. Estava, no mercado, fazendo algumas compras, quando um amigo de uns amigos se aproximou. Já o havia visto em uma ou duas oportunidades e, por ser um homem extremamente bonito e elegante, difícil de ser esquecido. Ele não me reconheceu, mas eu fui rápida e puxei assunto.

Loucura

Fonte: Um clássico. Está em vários sites e blogs do gênero. Parabéns aos autores.

Meu nome é Cláudia, tenho 31 anos, e sou casada há sete. Meu marido se chama Alex e tem 32. Nós dois somos formados em Educação Física e somos donos de uma academia de ginástica. Ele cuida da parte administrativa, e eu dou aulas junto com outros instrutores. Obviamente me esforço muito para manter meu corpo devido a minha profissão, mas também porque adoro me sentir gostosa e atraente, e por isso sou muito vaidosa e rigorosa comigo mesma. A única coisa artificial em mim é o tom dos meus cabelos, um louro amanteigado. Fora o Buttery Blond, o meu biótipo curvilíneo é totalmente natural: busto médio (94 cm), quadris largos (100 cm), estilo “cintura de vespa” (57 cm).
Eu e meu marido adoramos sexo. Foi ele que me apresentou a esse mundo maravilhoso do prazer. Alex sempre foi um amante excepcional. Ele descobriu minha tendência ao exibicionismo e me incentivou a explora-la. Foi numa brincadeira num posto de gasolina. Aquelas coisas de deixar a calcinha aparecendo para o frentista e fingir que não percebeu o intrometido. O que era brincadeira foi virando rotina no nosso relacionamento. A partir daí criamos um jogo de provocação, onde só eu e Alex podia jogar. Os “escolhidos” eram simples espectadores. Era um jogo bem simples e extremamente excitante.

A Minha 1ª Vez no Swing


Me chamo Janaína e tenho 30 anos. Sempre publiquei as minhas aventuras e experiências. Resolvi contar agora a vocês do site “Casa dos Contos Eróticos” algumas de minhas histórias. Sempre tive muita vontade de ir ao swing (mais curiosidades na verdade). Quando tinha 26 anos, completei 2 anos de casada e fomos comemorar em um bar com os amigos. Foi uma bebedeira só! Lá conversamos sobre vários assuntos, mas um deles despertou mais ainda a minha curiosidade: O tal do swing. Um amigo do Sandro (meu marido) nos contou que tinha ido à uma boate de swing com uma garota de programa e disse que rola de tudo lá e que é muito ‘divertido’. Nem precisa falar o quanto isso despertou mais ainda a minha curiosidade... Ao chegarmos em casa conversamos sobre o assunto, contei a ele sobre a minha vontade de ir ao swing. Ele perguntou se eu estava bêbada (rsrsrsrs). Expliquei que sempre tive essa fantasia e que depois que o amigo dele falou como era, tive mais vontade ainda. Sandro desconversou mas acabo aceitando. Ele disse que íamos só pra ver como era e nada mais. Coitado do Sandro! Se ele soubesse que depois da 1º vez ele ia voltar milhares de vezes...

Exibicionismo em Praia deserta

Retirado da Net

Autor: Desconhecido

Desde namoro que Eu e minha mulher Lúcia (nome real) deixávamos a nossa sexualidade correr solta. Por conta disso combinamos que só após três anos de casados é que pensaríamos em filhos. E assim foi. Moramos em uma cidade do Nordeste e quando casamos fomos residir em um bairro de praia a duas ruas da beira mar. Ela não é, ou atualizando, era de se exibir, porém gosta de usar biquínis bem curtinhos e a natureza sendo bem generosa com o seu corpo, dotou-o de pernas e coxas grossas, seios médios empinados e uma bunda bem polpuda ainda mais realçada por uma cintura fina. De rosto comum, porém muito longe de ser chamada de “Raimunda”. Como adorava e adoro vê-la em alto estado de excitação procurava criar um monte de situações que a deixa-se assim. Uma delas era convidá-la para boates induzindo um vestido solto sem calcinha. Rolava o maior o sarro por baixo da mesa. Isto regado a vinho nos deixava loucos e em algumas oportunidades eu chegava alevantar seu vestido até a cintura e a masturbava ali mesmo. Ela se derretia toda.
Sempre que dá saímos em fins de semana para conhecer praias da região, principalmente as chamada desertas.

Wife Sharing

Gentilmente cedido por: 


By Nando

Felipe, meu marido, garantia que, no lugar de acanhada, eu ficaria excitada. Nunca tinha ouvido falar em wife sharing, mas a expressão surgiu durante uma noite de queijos e vinhos com amigos.
É uma nova denominação para uma velha fantasia: enquanto a mulher transa com outro, o fiel esposo assiste a tudo no mesmo quarto.
 Bizarro? Pois foi o que pensei quando o Fê me perguntou se eu aceitaria ser “emprestada”.
- Como assim?
Estávamos juntos havia quatro anos – dois deles sob o mesmo teto – e nunca esperei ouvir uma proposta dessas.
A gente se conheceu ainda na adolescência. Aos 18 anos, Felipe era o melhor partido da cidade: lindo, esportista, herdeiro de uma fortuna… E, o maior galinha da paróquia!... Eu só tinha 18 anos e, confesso, fiquei impressionada com seu interesse por mim. Mas também era bastante esperta para saber que seria apenas mais uma figurinha na coleção do rapaz. Dispensei a cantada e pouco depois perdemos o contato.

Vulnerabilidade

Gentilmente cedido por:


By Lisa
Estava eu ali, num quarto de hotel em São Paulo num completo e complexo dilema. Todos os meus colegas estavam no restaurante do hotel bebericando e contando piadas. Eu estava louca para ir, mas tinha medo. Medo do que estava sentindo pelo Gustavo, o gerente da filial Salvador. O homem me atraia demais. Seu jeito seguro, educado e ao mesmo tempo dominante estava mexendo muito comigo.
Éramos doze gerentes das diversas filiais da empresa espalhadas pelo Brasil e estávamos ali numa reunião gerencial de uma semana. Era a primeira vez que eu participava. Começamos no domingo à noite, uma espécie de quebra-gelo e apresentação do grupo, e já estávamos na quarta-feira.

A Primeira Traição de Uma Esposa Fiel

Retirado da Net
Autor: Esposa Fiel
Os objetivos de eu escrever aqui, são dois. Primeiro espero que meu amigo leia e me responda, pois para evitar qualquer problema em casa, rasguei todo bilhete com telefone ou e-mail e agora não tenho como contatar. Segundo, para eu mesma poder relembrar de cada minuto maravilhoso que passei, lendo esse relato, toda vez que sentir saudades do acontecido.
Sou uma mulher casada, realizada, tendo tudo que uma mulher possa desejar. Marido trabalhador, charmoso, carinhoso, advogado de uma indústria. Talvez a única coisa que ainda não tenha são filhos, mas que já pensamos em conceber brevemente. Casei virgem, só tornando mulher na noite de núpcias, motivo porque meu marido me considera de total confiança, Eu nunca havia ido com outro homem para a cama, fato raro entre as garotas de hoje em dia. Talvez pelo fato de morarmos numa cidade não muito pequena, mas do interior, onde as pessoas tomam mais cuidado para evitar fofocas dos vizinhos.

Não Resisti aos Garotos

Retirado da Net


Esse fato aconteceu, ano passado, é verídico, resolvi escrever após pensar muito e refletir sobre a questão.
Meu nome é Luciana, tenho 35 anos, sou Loira, de olhos claros, cabelos bem compridos. Tenho 1,60m, 56kg, gosto de me exercitar, tenho uma bundinha empinadinha, coxas grossas, seios pequenos. Rogério, meu marido, tem 38 anos, 1,75m, e é bem bonito, não temos filhos. Nosso relacionamento é bem resolvido sexualmente e somos um ótimo casal.
Moramos em Natal e estamos casados há oito anos. Somos de Santa Catarina, e viemos para Natal em busca de novos campos profissionais.
Logo que chegamos, parecíamos turistas, e queríamos conhecer as belezas do lugar. Como Rogério trabalhava durante toda a semana fizemos um trato: eu iria conhecendo os lugares e depois nos finais de semana iríamos juntos aos que mais tivessem me agradado. Adoro praia, e a ideia era principalmente conhecer as praias da região. As praias são maravilhosas e pela época do ano, estavam bastante desertas.

Na Praia Meu Tesão Veio a Tona 1

Gentilmente cedido por:


By Mirna Lowe

Meu nome é Vanja, tenho 28 anos e desde a adolescência me destaquei por ganhar logo as formas voluptuosas que mantenho até hoje. Tenho um corpo bem desenhado, malhado por anos de ginástica. Os seios são generosos, empinados, biquinhos rosados e salientes, que adoram se exibir em um decote mais ousado, as pernas trabalhadas pela ginástica exibem coxas grossas, mas o que eu tenho de melhor é o bumbum.
Todo durinho e arrebitado, uma delícia segundo meu marido e as cantadas que escuto.
Sou casada com Arnaldo, um homem maravilhoso, 30 anos, gerente de uma Agência de um dos mais sólidos bancos do país, o Bancos do Brasil, já faz cinco anos, dos quais eu não tenho nada para reclamar. Eu também tenho o meu trabalho e no último verão, eu estava de férias e as minhas férias que não coincidiam com as dele, mas alugamos uma casa no litoral norte de SP, onde passaríamos o mês de Janeiro. Ele só passaria comigo os finais de semana e viria nas sextas-feiras à tarde e, na segunda cedinho, já terias de subir a serra, com Arnaldo voltando para Sampa durante a semana de expediente.

Na Praia, Meu Tesão Veio à Tona 2

Gentilmente cedido por:


By Mirna Lowe

Na 2ª feira bem cedo o Arnaldo foi para Sampa de onde voltaria na 6ª, minha vontade era sair correndo ir bater na casa deles, dizendo que agora estava só, contive meu entusiasmo, tomei o café da manhã, biquíni & praia. Como ainda era muito cedo, fui uma das primeiras a chegar, o dia prometia ser maravilhoso, não havia uma nuvem no céu e uma brisa fresca vinha do mar, só quem não vinham eram eles… nenhum deles apareceu na praia naquela manhã, e num misto de frustração e raiva, voltei para casa.
Por volta de 17h00 estava deitada ouvindo música quando escuto baterem palmas, era Zé Luís, ficamos conversando no portão de casa, eu usava uma camiseta regata e a parte de baixo do biquíni, Zé sugeriu que fossemos andar na praia, e perguntou se eu já conhecia a cachoeira que tinha por lá e, diante da minha resposta negativa, se prontificou a me levar até lá…, só me dei ao trabalho de fechar a casa e fomos. Estava me sentindo estranha, apesar de ter esperado ficar sozinha com aquele garoto, agora que tinha conseguido, morria de medo, quase não falava, ele também parecia pouco à vontade e caminhávamos pela areia, falando amenidades.

Exibicionismo Que Deu Certo...

Gentilmente autorizado por: 



By Vera Mineira

Meu maior sonho estava para se realizar, pois consegui convencer meu marido a comprar uma câmera fotográfica, estilo profissional para que ele fizesse de mim, fotos bem eróticas. Estou me preparando, com todo o capricho, para realizar este sonho, que é um sonho acalentado desde a adolescência. Lembro-me que quando tinha por volta de uns 15 anos de idade, vi escondida uma revista do meu irmão. Era uma revista de uma famosa e linda artista de cinema, posando para umas fotos, totalmente nua e em poses bem sensuais.
Achei que aquilo tão bonito que me despertou enorme vontade de posar para fotos semelhantes, e que não haveria nada de mais excitante do que fazer uma coisa destas.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...