127 - Corno na Lua de Mel 2

Eu achei melhor deixar o assunto morrer, para não estragar o clima da nossa lua de mel, e ela então começou a se arrumar:
"Devemos ir querido, talvez possamos, ah você sabe, nos preparar para quando o Jack voltar."
A ideia de chegar no quarto e fazer sexo com ela de novo superou todos os pensamentos ruins da minha cabeça. Eu estava agora no controle para o sexo com Karen e de volta para o meu paraíso em lua de mel. Nos vestimos e voltamos para nossa suíte. Minha mente começando a relaxar, e me devolver a confiança. Me livrei da minha roupa em segundos e Karen fez o mesmo. Desta vez porém, ela mais ou menos me empurrou de costas e montou minha pélvis. Eu estava olhando para o par de tetas mais sexys que eu já vira, e comecei a apalpa-las. Ela deslizou sua buceta sobre o meu pau e estendeu a mão, agarrou-o e meteu-o dentro. Ela ficou lá com o meu pau enterrado nela, e lentamente começou a balançar para trás e para frente. A sensação do gozo começou, e Karen estava começando a reconhecê-la, portanto ela parou de rebolar. Ela olhou para mim:
"Oh, não Sr. Rapidinho, você não vai gozar rápido desta vez."

126 - Corno na Lua de Mel

O casamento foi um enorme sucesso, tudo correu como o planejado e minha noiva estava radiante. Karen estava linda com seu cabelo loiro em cascata sobre seu rosto e ombros, tão doce e inocente. Eu quase desmaiei quando a vi pela primeira vez em seu vestido de casamento. Mas também me senti culpado, sabendo que ela estava pensando num casamento romântico, e tudo que eu conseguia pensar era que eu iria transar com ela.
Fiquei apaixonado por Karen desde o nosso primeiro encontro. Tudo nela era perfeito, exceto sua insistência em permanecer virgem até a noite de núpcias. Nossa vida sexual até agora consistia em abraços e beijos. Eu não conseguia convencê-la de outra forma e cada dia até o dia do nosso casamento eu ia para casa para me masturbar. Eu tinha passado os últimos dois anos da minha vida obcecado por esta mulher, sua sexualidade e tudo sobre ela era inebriante para mim. Seu corpo era voluptuoso, e estranhamente eu me encontrava excitado por sua negação a mim, eu não tinha certeza do porquê, mas isso começou a me consumir.

125 - Eu Não Sou Lésbica

- Eu não sou lésbica! Sou heterossexual!
Esta foi a minha resposta, para uma das perguntas, à entrevistadora de um instituto de pesquisas. O objetivo da pesquisa era fazer um levantamento sobre a vida sexual de homens e mulheres. Perguntas sobre a quantidade de relações sexuais, números de parceiros, usos de preservativos, satisfação após a relação sexual, sexo anal, sexo com pessoas do mesmo sexo, consultas ao ginecologista, entre outras. Fui transparente nas respostas e contei um pouco sobre mim.
Meu nome é Maria Elisabete, tenho quarenta e quatro anos, casada, três filhos, um menino de vinte e quatro anos e duas meninas, uma com vinte e dois e a outra com dezessete anos. Sou professora em uma universidade no estado de São Paulo. Sou realizada profissionalmente, como mãe e como mulher. Estou casada com meu marido, pai de meus filhos, há vinte e cinco anos e o amo muito. Ele é o homem de minha vida! Somos felizes na vida a dois e também na cama. Ele ocupa um cargo de chefia numa multinacional. Não somos ricos, mas vivemos bem, sem extravagâncias!

124 - A Namorada e o Bem Dotado

Autor: Santiago

Namorei Taciana durante um ano. Período de muita paixão e sexo da melhor qualidade, pois nos entendíamos bem na cama. Cabelos castanhos clareados de loiro, seios médios empinados e uma bundinha carnuda e durinha que me enlouqueciam. E ela sabia o que fazer. Adorava dar de quatro e rebolava como se fosse uma profissional enquanto meu pau entrava e saia da bocetinha úmida. Bocetinha, aliás, de pêlos castanho-escuros bem aparados e lábios médios, que saltavam com discrição por entre suas deliciosas coxas.
Do nosso intenso namoro guardo várias lembranças excitantes que até hoje me rendem inspiração. A experiência que vou relatar neste conto me deixa louco mesmo com o passar dos anos, pois atiçou a todo vapor meu lado voyeur. Trata-se da tara de Taciana por homens muito bem-dotados. Sempre que começávamos a conversar sobre isso, ela não disfarçava a excitação e logo queria transar. Em geral, confessava apenas que gostaria de olhar um homem super bem dotado transando forte com uma mulher.

123 - O Amante Mais Gostoso de Minha Esposa

Exclusivo do Blog Casada Sexy
Autor: Loirinha Saborosa

- E aí? Tudo bom?
Olhei para o lado e vi um moreno, quase mulato, alto, devia ter mais de 1,80 m e com certeza não tinha 30 anos, 25 no máximo, com um largo sorriso no rosto. Respondi:
- Tudo.
Voltei a olhar para frente mas ele insistiu em puxar conversa.
- Meu nome é Rafael. Prazer!
Olhei novamente para e ele e apertei sua mão que estava estendida em minha direção.
Ficamos alguns segundos olhando na mesma direção. Olhando aquela loirinha dançando sozinha na pista de dança de forma bem sensual num curto vestidinho vermelho. Sozinha em termos, pois a pista estava lotada de gente.
- Muito linda, né?
Olhei novamente para ele e respondi:
- Linda mesmo.

122 - Madame, Casada e Dando para Dois

Autor: Lady Diva

Eu odeio aniversário! 36 anos! Boa esposa e dona de casa, vida de madame, filhas criadas, empregadas. Aborrecida com o ócio e num dilema: o que fazer?
Uma amiga, em situação parecida, entrou em depressão, por se sentir vazia, inútil. As primeiras rugas, celulite, o amor-próprio lá embaixo, mal amada e sem perspectivas.
Bem, eu tenho no Carlos, um marido liberal. Segundo ele, sou tão gostosa e putinha, que seria egoísmo satisfazer só ele. Me incentiva a ter aventuras, buscando o sexo pelo puro prazer.
Suas três condições são que faça sempre de camisinha, com rapazes jovens e conte depois tudinho para ele.
A camisinha é óbvio, pois para ele, um pênis encapado, é como se eu estivesse usando o vibrador. Sempre diz que lavou tá novo. Narrar a transa em detalhes, o deixa taradão. Quanto aos rapazes jovens, acho que Carlos, por insegurança, teme que com um coroa, eu me apaixone e acabe virando caso.
Diz meu marido que imaturos querem só transar, meter e gozar. Quantidade e não qualidade. Compromisso, cobranças é tudo que não querem. Fogem de envolvimento emocional como o diabo foge da cruz.

121 - Minha Iniciação no sexo Liberal e Ménage

Autor: Ksal menage

Olá. Meu nome é Cintia, tenho 28 anos, sou casada há 4 anos, moramos em São Paulo/ Capital.
Meu marido e eu nos damos muito bem, bem até demais. Nossa vida sexual é muito boa, sem frescura. Curtimos filmes pornôs temos brinquedinhos eróticos, falamos muitas sacanagens um para o outro, enfim, somos um casal sem grilos quanto ao sexo. Somos adeptos do vale tudo entre 4 paredes.
Acontece que meu marido foi o meu primeiro homem na cama, ou seja, quando começamos a namorar eu era virgem, e ele foi que tirou minha virgindade. Por isso, sempre tive a curiosidade de transar com outro homem, mas, nunca tive coragem de dizer isso a ele, sempre achei muito intimo esse desejo e não queria correr o risco de magoá-lo.
Certa noite estávamos deitados assistindo a um filme pornô. Estava muito excitada com as cenas que via, uma mais safada que a outra. Meu marido acariciava minha boceta, aquilo me deixava mais doida ainda, estava escorrendo de tesão. Seu dedo passeava entre os lábios da minha boceta. Eu, acariciava a rola dele, que também estava dura e bem molhada.
Estava quase no final do filme quando fui surpreendida com uma pergunta, feita por ele:
- O que você imagina quando assiste esses filmes?

120 - Traição Consentida

Autor: Lu

Meu nome é Lúcia. Sou casada a 14 anos. Tenho 32 anos de idade, e um filho adolescente que não para em casa. Desde que casei, parei de trabalhar e passei a viver para a família. Com o tempo acabei acostumando com a vidinha de “doméstica”. Cuidar do filho, fazer almoço, arrumar a casa, tomar banho e esperar o marido para mais uma noite de amor. Isso foi assim durante muitos anos. Sempre fomos muito liberais, e éramos felizes. Mas de uns tempos pra cá, meu marido mudou.
Passou a me procurar menos, nossas transas não eram mais as mesmas, em certas ocasiões no meio da transa ele perdia a ereção e por mais que eu tentasse, seu pênis não dava sinal de vida. Conversamos e combinamos que ele iria procurar um médico. Depois da consulta e de todos os exames, ficou claro que não tinha nem um empecilho físico, que o negócio era a cabeça. Nossas relações foram diminuindo a frequência, a ponto de ficarmos 2 semanas sem sexo.

119 - A Compreensão no Casamento

Autor: Maridão

Todos sabem que após o casamento a relação tende a ser um pouco diferente daquela da época do namoro. A intimidade e a monogamia fazem com que ambos relaxem, que o sexo tende a cair naquela coisa sempre igual, isto é, a tendência é que a pimenta vai desaparecendo da vida do casal.
Comigo não está sendo muito diferente, mas devo confessar que nem eu nem minha mulher estamos vendo isso acontecer de maneira apática. Sempre fomos muito sinceros um com o outro e sempre buscamos nos colocar um na situação do outro. Acho que isso em alguns momentos pode ser perturbador, pois escutar o que o outro pensa as vezes pode nos magoar, mas de maneira geral a relação ganha uma confiança enorme.
Certa vez minha esposa me perguntou se eu a trairia. Eu lhe disse que se tivesse vontade de fazê-lo tentaria conversar com ela antes e ver onde está o problema que me impulsiona a querer algo com outra parceira. Acho que isto a deixou mais tranquila. Ela sabe da minha maneira sincera de ser.

118 - Minha Curiosidade me Traiu

As vezes a gente pensa que está no controle da situação mas quando menos se espera somos traída pelas circunstâncias movida pelo desejo...  E aconteceu comigo numa circunstância que eu jamais imaginaria acontecer. Resumindo, eu trabalho numa pequena empresa, com poucos funcionários, por isso sou o braço direito do dono e quando ele está ausente ou viaja a negócios ou a lazer fica tudo por minha conta ele confia na minha competência. No meu trabalho sou bem séria, tenho que me impor senão perco a autoridade, e tem duas meninas que trabalham comigo na sala ao lado e todas são solteiras, só eu sou a tiazona casada, tenho mais ou menos o dobro da idade delas, me casei virgem e amo meu marido e jamais pensaria em trai-lo tendo uma relação sexual fora do casamento, mesmo porque nos damos muito bem em todos os sentidos e na cama não tenho o que reclamar.
Mas por mais centrada que possamos ser nunca temos controle absoluto da situação e das coisas que nos cercam e acabam por envolver-nos por mais que sejamos centrados, e eu sou curiosa demais, e por causa disso acabei me envolvendo numa situação e acabei traindo meu marido, mesmo sem querer, vou tentar explicar para que entendam. 

117 - Cara, e Agora? Como Resolvo Isso?

By Andrezza

Olá, meu nome é Andrezza. Eu moro e trabalho na região do ABC Paulista. Sou casada com o Rodrigo. O meu marido é o gerente de uma agência de um poderoso banco estatal e ganha muito bem.
Ele é lindo, tem corpo atlético e os cabelos acinzentados. Eu o conheci durante um curso que a minha Empresa foi ministrar para um grupo de altos executivos daquele banco. A atração foi instantânea.  
Depois de um breve namoro, nos casamos, tivemos e uma ardente lua de mel, numa cidade do litoral nordestino. Eu me casei virgem, coisa rara para quem vivia no meu ambiente de trabalho, mas evangélica, eu sempre fui muito vigiada pelos meus pais. Mas adorei nossa lua de mel.
Embora contido, o Rodrigo era muito potente e nossa rotina, desde a lua de mel, era sexo pelo menos quatro vezes por semana. Um sexo ardoroso, a gente se amava, mas sempre dentro de um padrão de normalidade.
Nunca íamos além do papai e mamãe. Ainda não conseguimos ter filhos, apesar dos cinco anos de casados. Não evitamos, mas ocorre que ainda não consegui engravidar, apesar da enorme vontade de termos um filho, principalmente o meu marido que sempre quis ser pai.

116 - Dei Para o Casal de Amigos do Meu Marido

Eu já comecei escrever esta história mais de três vezes e nunca tive coragem, e apagava tudo. Tenho lido historias lindas de sexo e amor, embora algumas sem pé nem cabeça, então resolvi contar sem medo de ser descoberta, isso e o mais importante. Sou casada com um homem maravilhoso em quase todos os pontos de vista. Ele e empresário, bem sucedido, nunca passamos nenhuma dificuldade. Porem sua religião toma dele os princípios básicos de gozar a vida. Ele e evangélico, daqueles crentes fervorosos, eu sempre o segui, aliás somos casados há 12 anos, tenho hoje 32 anos, e uma filha de 11 anos.
Como disse nunca nos faltou nada, mas para mim sim, alguma coisa não andava bem, e era sobre sexo, um assunto jamais debatido em casa, fosse como fosse. Meu marido fazia sexo comigo, de luz apagada, eu vou para cama de camisola, na hora tiro a calcinha, ele vem por cima, mete em mim, goza e sai de cima, correndo para se lavar. Por muitas vezes eu nem chego a sentir tesão e ele já gozou e saiu de cima. Isso foi ficando frequente, e ele nunca sequer me perguntou se eu estava satisfeita com seu sexo. Ele foi meu primeiro e único homem. A nossa primeira vez ele me pediu licença para me penetrar e romper meu hímen e confesso que deve ter rompido mesmo depois do nascimento da nossa filha.

115 - Nem Meu Marido Me Comeu Assim. Dei Gostoso e Estou Gostando

Autor: Dani

Me sentia feliz da vida sabendo que eu indo ao encontro do meu homem, do meu macho, do meu Senhor. Ria à toa, sozinha, lembrando tudo o que já tínhamos feito e todas as fantasias sexuais que eu ainda iria viver. Sempre fui tratada como uma "princesa" pelos meus familiares. Com os poucos homens com quem fiz sexo antes dele, todos foram muito carinhosos comigo. Com ele não. Ele era respeitador quando estávamos em público, mas quando ficávamos na intimidade das 4 paredes, eu era tratada como ele sempre dizia que eu desejava ser tratada: como Mulher, como Fêmea, como Puta, como Cadela, como Submissa. Isto me fazia um bem danado. Aquilo tudo era uma loucura. Estava alucinada de desejo. Não tinha mais como parar. Uma sensação estranha me invadia sempre que ia ao seu encontro e tenho que assumir que tudo tem sido delicioso. Tudo que tem acontecido serviu para abrir minha cabeça. Me sinto mais poderosa, muito mais EU hoje.

114 - A Deliciosa Mulher de Meu Amigo

Tenho um amigo com o qual convivo há mais de 12 anos. Somos realmente muito amigos e temos total liberdade para confidenciarmos nossos assuntos mais íntimos, inclusive aspectos de nosso relacionamento sexual com nossas esposas, que também são amigas e com certeza têm a mesma liberdade. Nossas mulheres gostam muito de dançar, todo tipo de música e isso nos leva a passar muitas noites juntos, principalmente aos fins de semana. Vamos a festas, boates e casas de danças, onde normalmente dançamos um com a esposa do outro. Tudo sem maldades, quer dizer, eu comecei a pensar ir além das danças com a esposa de meu amigo… Não sei se estou errado, mas o fato é que eu comecei a sentir certo tesão nesse contato mais forte com a mulher de meu amigo…

113 - Boquete Delicioso no Bombeiro Sem Meu Marido Desconfiar

Sou casada a 10 anos, não tenho filhos, trabalho atualmente no setor administrativo de uma grande empresa privada da área médica em Brasília. Gosto muito de receber mensagens de pessoas que gostam dos meus relatos e eventualmente curtam uma boa amizade, querendo me escrever basta mandar mensagem.
Tenho um casamento agradável, um marido que me dá carinho e uma estabilidade financeira legal, ele é divertido, brincalhão com todos, e super comprometido com seu trabalho, mas é de uma forma que ele chega a trabalhar em casa à noite e as vezes finais de semana. Ele é advogado, funcionário público federal e também tem um escritório particular em sociedade. 
Depois de alguns anos de casados, e com ascensão profissional dele, e a falta de tempo para nós 2, ele deixou literalmente que nosso sexo ficasse morno, ao ponto de ter época de fazermos sexo apenas 2 vezes no mês, e olha que eu sempre tento provocá-lo, uso roupinhas ousadas, sexys, criar momentos diferentes, e até propor irmos a uma casa de swing eu já propus, mas nada disso fez com ele que mudasse sua atitude comigo no que diz respeito a prazer.

112 - Casada Dando Para o Tio Bem Dotado do Marido

Autor: Lady Diva

No final do ano, meu marido Carlos estava bem entusiasmado com as festas. Principalmente porque seu tio Willian viria passar o natal e o ano novo conosco.
Todo dia ficava falando do tal tio, contando histórias do passado às nossas filhas. Quando estávamos sós, me narrava passagens picantes. Uma delas foi a vez que ele espiou o tio transando com uma biscatinha do bairro. A menina gemia igual doida para aguentar o falo avantajado dele.
Fazia décadas que Carlos não via o tio. Tudo o que eu sabia era que ele é médico e tinha bons empregos na capital. Depois que separou da mulher, para decepção da família, largou tudo e foi clinicar em Roraima, vivendo no meio dos índios.
Pelo que meu marido dizia e a admiração que tinha por ele, eu imaginava um velhinho, aventureiro grisalho e aparência de hippie. Quando fomos buscá-lo no aeroporto, tive uma tremenda surpresa. Tio Willian não era nada daquilo que eu pensara. Fiquei pasma com sua jovialidade!
- Oi, tio, quanto tempo!

111 - Um Jovem Insaciável com Minha Esposa

Minha esposa levou uma surra de pica. Tenho o maior prazer de vê-la com outro. Venho a tempos matutando de ver minha esposa transar com outro, procuro ver filmes onde há dupla penetração, sempre tentando excitá-la, para que aceite outro homem em sua vida, conversa vai e vem sugiro arrumarmos um parceiro, até que numa dessas ao falar-lhe ela ficou quieta, pressenti que começava a aceitar minha ideia, sempre lhe falando que seria sexo e mais nada, que eu achava que ela tinha direito, a experimentar outros prazeres da vida.
Certo dia lhe falei, que achava que tinha achado alguém de quem ela ia gostar sem mencionar quem era, guardei em segredo tentando atiçar sua libido, difícil foi falar para o rapaz que estava lhe oferecendo minha esposa, pedi-lhe que a tratasse com carinho mas que a comesse como bem entendesse sem forçá-la a nada deixando que ela sentisse confiança nele e liberasse seu corpo e seus desejos sexuais naturalmente.

110 - Aquaticamente

Autor: SedutorMaduro 

- Eu adoro dos dois jeitos...
A frase foi sussurrada aos meus ouvidos. Me pegando totalmente de surpresa. Era um churrasco feito para o pessoal da firma, com a presença das esposas, num sábado à tarde, na casa de praia de um dos diretores. Tudo bem organizado. Os mais chegados se hospedaram na própria casa, que tinha quatro suítes. Foi feito um pacote de reserva de apartamentos num hotel bem próximo, saindo bem em conta para o pessoal que quisesse passar o fim de semana todo lá. E para os que não pudessem ficar, foram alugadas duas vans para trazê-los e levá-los de volta a São Paulo. Dessa forma, todos podiam ficar tranquilos, beber à vontade, sem preocupações com dirigir na estrada depois.

109 - Fantasia Virou Realidade

Autor: j_powerful

Meu nome é Flavio e minha mulher se chama Veronica. Somos casados há 6 anos, não temos filho, e temos uma vida amorosa e econômica estável. Depois de um tempo de casamento, para não cair na monotonia, nas transas, passei a chamar minha mulher de galinha, vadia, gostosa e coisas assim. Percebi que ela ficava muito mais excitada com estas palavras. Faz uns 2 anos, passamos a imaginar outros homens na relação. Como percebi que ela gostava muito, não vi problemas em começar a procurar fotos e vídeos de cenas grupais. Nas vezes em que conversávamos pelo MSN e eu mandava as fotos ela fica muito excitada.
Depois de um tempo, na maioria das nossas transas, o maior prazer era imaginar outros homens, sem homo ou bissexualismo. Um dia, conversando pela Internet chegamos à conclusão de que eu deveria ser corno, afinal se gostava de oferecer a mulher para outros homens... Confesso que tanto eu quanto ela ficamos meio ressabiados com esta constatação, seja pelos costumes, seja porque é algo, a princípio, pejorativo. Começamos a nos informar mais do assunto e vimos que existem muitas pessoas nesta condição e que todos levam a vida numa boa, sem qualquer preconceito.

108 - Minha Noiva Arrombada

Estou um pouco envergonhado de contar este fato, mas ao mesmo tempo, me sinto excitado em publicá-lo.
Estou noivo há quase um ano de uma mulher maravilhosa. Conheço-a desde os 16 anos; agora ela está com 20 e eu com 26. Sou completamente apaixonado por ela.
Tudo começou quando ela um dia comentou que, antes de mim, havia namorado com um primo dela, que era um namoro meio infantil, com apenas a troca de inocentes beijos. Por algum motivo que não sei explicar adorei ouvi-la fazer essa confissão e ela percebeu e ficou preocupada achando que eu não a amava.
Com o tempo, ela compreendeu que o meu amor por ela era muito grande e que uma coisa nada tinha a ver com a outra.

107 - A Segunda Vez de Minha Esposa

Autor: Casal Liberal

Bem que fui avisado pelo nosso amigo leitor TREINADORSEX de que deveria ter cuidado com esse negócio de liberar a própria esposa pra outro homem. Não o escutei, e acabei tendo de ver ela na sua melhor foda E NÃO FOI COMIGO!
Depois de fuder com seu primeiro negro, ela continuou como eu disse no primeiro conto, a se encontrar com nosso amigo negro. Algumas vezes eu assistia, outras não.
Até que um dia, ela me deixou muito feliz pois me disse que sonhava com uma dupla penetração. Eu disse a ela que adoraria. Ela me avisou que combinaria tudo para outra semana com nosso amigo de ébano. Eu fiquei louco de vontade de enraba-la ao mesmo tempo em que aquele negrão estivesse rasgando sua buça.
Mas qual não foi minha surpresa quando no dia combinado, nosso amigo negão chegou em minha casa com outro amigo. Um negro daqueles que parecem cantorzinho de pagode que a mulherada fica gritando quando vê.
Chamei minha mulher em um canto e perguntei que era aquilo tudo afinal.
- Ora, disse a você que queria uma dupla penetração.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...