297 - Assisti Minha Esposa Com Outro

Eu sou Rodolfo, 35 anos, e me casei com Amanda, também 35 anos, após apenas 6 meses de namoro. Ela é uma bela morena. Pois bem, após 5 anos de casamento comecei a ler os contos eróticos e um tesão inexplicável pelos contos de traição começou a tomar conta da minha cabeça. Eu tentava convencer Amanda a ler os contos mas ela sempre resistia.
Depois de um tempo, comprei vários brinquedos eróticos e em nossas transas enfiava um plug em seu cuzinho e dizia que era outro homem. Ela começou a se soltar. Passados uns meses ela já contava as cantadas que recebia na academia e aceitava usar umas roupinhas curtas que comprava para ela.
A situação mudou quando descobri um site de swing e ménage. Comecei a tirar fotos sensuais de Amanda e cada vez mais as pessoas comentavam como ela é gostosa. Mostrei os comentários para ela e logo ela começou a ficar excitada. Alguns usuários chamavam a atenção dela e acho que ela começou a teclar sozinha com alguns deles.

Como moramos em uma cidade pequena, no início somente rolava esses contatos virtuais, mas Amanda havia mudado. Já não precisava insistir para ela usar as roupinhas curtas e quando viajávamos para o litoral ela adorava usar biquínis pequenos. Também não precisava mais insistir para ela entrar sozinha em bares para comprar alguma bebida e receber cantadas de outros homens.
A primeira vez que vi um outro homem dando em cima dela meu pau ficou duro na hora mas ao mesmo tempo foi como se tivesse recebido uma descarga elétrica por todo o corpo. O rapaz pegava na mão dela e ela correspondia com sorrisos. Mas nada aconteceu. Cada vez mais Amanda teclava com os novos amigos do site e conhecia homens e casais de todo o Brasil.
Foi em uma viagem que conhecemos pessoalmente Rodrigo. Ele morava em Belo Horizonte e depois fiquei sabendo que já havia transado virtualmente com minha esposa várias vezes no MSN. Ela gostava de enfiar um plug no rabo e ficar teclando e rebolando com ele no cuzinho.
Em uma viagem para BH a negócios, ela pediu para ir junto. Eu achei estranho mas concordei. Após um dia de trabalho resolvemos ir a um barzinho à noite. Amanda se produziu de uma maneira que me chamou a atenção. Usava um vestidinho curto que somente havia usado em motéis, nas nossas festinhas. A calcinha era bem pequena e ficava toda enfiada em sua bunda. Ela estava igual uma putinha. Depois fiquei sabendo que Rodrigo a havia mandado sair desse jeito.
Chegamos em um barzinho com várias mesas em locais escondidos e um pouco escuro. Começamos a beber e ela ficava me provocando se eu teria coragem de realizar minha fantasia. Depois de meia hora chega à mesa um homem alto e forte, corpo malhado, que cumprimentou Amanda como se a conhecesse a muito tempo. Ela me apresentou como um antigo amigo da faculdade e pediu para que ele sentasse com agente pois tinha muito tempo que não o encontrava. Eu achei estranho, mas como tinha bebido um pouco não me importei.
O papo continuou gostoso e cada vez mais a bebida produzia efeitos que eu não esperava. A mesa era redonda e Rodrigo chegava cada vez mais perto de Amanda para conversar. De vez quando ele colocava as mãos em sua perna para dizer alguma coisa mais perto. Depois de um tempo, ela foi ao banheiro e eu recebi uma mensagem pelo celular. Amanda dizia que estava excitada e ia brincar um pouco com o amigo da faculdade. Quando ela voltou eu estava anestesiado com o tesão e não disse nada. Ela entendeu isso como uma autorização para iniciar a brincadeira.
Chegou mais perto de Rodrigo e não evitava mais as mãos em sua perna. Rodrigo alisava as coxas grossas de minha esposa e ela desceu a mão por baixo da mesa. Eu não conseguia ver onde ela estava com as mãos. O barzinho tinha uma pista de dança e como Amanda sabe que não gosto de dançar convidou Rodrigo para ir com ela. Ele perguntou se tinha algum problema e eu não consegui dizer nada.
Os dois foram para a pista e eu levantei e fiquei em um local estratégico para ver o que acontecia sem ser visto. A música era lenta e Rodrigo passava a mão na bunda de minha esposa com vontade e dizia algumas coisas em seu ouvido. Ela não resistia e parecia gostar da situação.
Depois da primeira música eles foram para um local afastado no bar e eu vi a cena que mudou minha vida para sempre. Minha esposa beijava Rodrigo com vontade e ele encoxava ela com força. O vestido era curto e a mão dele na bunda de minha esposa levantava ainda mais a roupa. Ela correspondia e passava a mão no pau do Rodrigo por cima da calça. Esse amasso durou uns 3 minutos, mas para mim pareceu uma hora inteira.
Voltei para mesa com o pau latejando e a imagem não saia da cabeça. Quando eles chegaram ela conversava normalmente, mas Rodrigo não mais escondia as mãos nas coxas dela. Pagamos a conta e chamamos um táxi para voltar para o hotel. Rodrigo disse que não e fez questão de nos levar. Eu dizia que não precisava, mas Amanda já estava entregue.
Quando chegamos no carro ela já foi se sentar na frente com Rodrigo e eu fui atrás. No caminho para o hotel Rodrigo tentava disfarçar mas sempre passava a mão na perna de minha esposa quando ia trocar a marcha. Chegando no hotel minha esposa insistiu para Rodrigo subir e tomar uma última cerveja com a gente. Ali eu senti que minha esposa iria mudar para sempre.
Chegando no quarto ela foi tomar um banho e eu fiquei bebendo com Rodrigo. Quando ela saiu do banho tomei um susto muito grande. Ela havia colocado um baby-doll curtinho que deixava toda sua bundinha exposta. Ela sentou no sofá do quarto entre eu e Rodrigo e conversava normalmente.
Em certo momento entendi a intenção dela e disse que ia tomar banho também. Entrei no banheiro e fingi que ligava o chuveiro para poder observar o que acontecia. Assim que o barulho do chuveiro começou minha esposa voltou a beijar Rodrigo e já abria o zíper da calça dele.
Ela parecia uma cadelinha no cio e ele já estava com as mãos enterradas na bunda dela afastando a calcinha e enfiando um dedo em sua bucetinha. O pau dele estava duro e parecia muito grande. Ela ficou de joelhos no chão e chupou com vontade aquela pica. Meu pau teimava em ficar duro e eu fiquei com as pernas moles. Não sei se era tesão ou o quê.
Depois de chupar o pau por um tempo, Rodrigo colocou minha esposa de quatro no sofá e deu umas lambidas na buceta e no cuzinho dela. Pegou uma camisinha e pincelava na bucetinha molhada de Amanda para lubrificar bem.
Ela rebolava e parecia desesperada para receber aquela pica. Ele judiava dela e mandava ela pedir para ele enfiar. Ela estava descontrolada e se humilhava pedindo para levar rola. Ela pedia com uma voz de putinha para ele meter.
Quando ele atolou a vara nela ela deu um suspiro e começou a gemer muito. Ele metia com força e chamava ela de casada vadia. Falava que agora ele era o dono daquela bucetinha e que iria comer o rabinho dela também. Amanda chamava ele de garanhão e concordava com tudo. Rebolava muito na pica de Rodrigo e dizia que era a cadelinha dele. Não demorou muito para eles gozarem quase juntos.
Minha esposa limpou o pau de Rodrigo com vontade, coisa que nunca tinha feito comigo. Desliguei o chuveiro após uma rápida ducha e gozei quase só de encostar no meu pau.
Quando cheguei na sala eles estavam vestidos. O clima era estranho, pois todos sabíamos o que tinha acontecido mas fingíamos que era um encontro normal. Ele pediu desculpas pelo horário e se despediu. Amanda me deu um beijo demorado e eu senti um gosto estranho em sua boca mas correspondi.

Quando chegamos na cama ela disse que estava cansada e que no outro dia nós transaríamos. Passei quase toda a noite em claro olhando para aquela bunda deliciosa que agora não era mais só minha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...