301 - OUVI SEUS GEMIDOS

Me chamo Carlos e como tantos que aqui escrevem, sempre tive a tara de ver minha linda esposa, em outros braços. Ela se chama Martinha, e sempre foi muito certinha. Na cama demora um pouco pra pegar fogo, mas quando pega é tudo de bom, gosta de anal, oral, experimenta todas as posições enfim é perfeita.
A Martinha é uma mulher bonita, 1,68, branquinha, olhos e cabelos castanhos claros, pernas bem torneadas, uma bundinha linda e seios não muito grandes, mas firmes.
Você deve estar pensando, o que mais esse cara quer? Pois é, a nossa mente é surpreendente, um homem com uma mulher dessas deveria estar super satisfeito, mas não é assim.

Já me perguntei porque penso tanto nela com outro, e cheguei à conclusão de que: por ela por ser tão bonita e gostosa, merece um homem à altura, e eu estou longe disso, sou alto, barriga de chope, pernas um pouco finas pra minha altura, e o pior, tenho um pênis muito pequeno. Quando ereto.
Devido a tudo o que narrei, eu sempre que posso falo no assunto com ela, mas ela sempre diz:
- Não quero nem pensar no assunto.
Então tive a ideia de comprar um brinquedinho pra ela e comprei um consolo de 18x6. Martinha ao abrir o presente me xingou e disse:
- Jamais enfiaria aquilo em mim.
Mas como disse ela na cama, quando liga é tudo de bom, e em uma de nossas transas, após ele ficar doidinha de tesão, ofereci o consolo a ela, qual foi a minha surpresa quando ela pegou ele nas mãos e ficou olhando sem nada dizer, e então começou a subir e descer a mão naquele pauzão de silicone e de repente colocou a cabeça do pau na boca, fechou os olhos e começou a chupar aquilo como se fosse um pau de verdade.
Você deve estar achando essa cena normal pra um casal em sua intimidade, mas pra mim foi muito mais que isso, estava vendo minha esposa querida, finalmente, se deliciando com outro pau, e mesmo sabendo ser de borracha, não resisti e quase gozei.
E foi assim que tudo começou, enquanto ela chupava eu acariciava sua bucetinha, passava e dedo em seu cuzinho, e ela rebolava em meus dedos, mas não tirava aquilo da boca e ela começou a gemer e dizer coisas que não eu compreendia e ela gozou, não acreditava no que estava vendo, minha Martinha esfregando a buceta no colchão e apertando aquele pau contra o peito, foi lindo.
Quando ela voltou ao normal, me disse:
- Você é louco. Me fez pensar em outro homem em sua presença, estou me sentindo uma vagabunda, mas nunca gozei tão gostoso, por isso tenho medo quando diz que quer me ver com outro, tenho medo de gostar e aí?
Depois disso, toda vez que íamos pra cama ela levava o amigo, e a brincadeira foi tomando um rumo perigoso e sem volta. Penetrei sua xaninha com aquilo, e ela vibrou, socava o pênis de borracha e chupava seu grelinho ao mesmo tempo, e ela gemia e gritava de tanto gozar.
E foi assim que fiz de minha esposa uma puta, hoje me arrependo pois não é mole ver a mulher que você ama, fazer coisas que até uma piranha não faria.
E depois desse dia, nossas transas foram ficando tão abertas, a ponto de minha casta esposa colocar nome em seu brinquedo, passou a chama-lo de Pedro.
Não é preciso dizer o quanto meu pau ficou duro, ao ouvi-la dizendo:
- Vem Pedro, me invade, te quero, vem...
Fui a loucura e constatei que realmente era o que queria, minha linda esposa embaixo de outro.
E continuei minha árdua missão de convence-la a me trair até que um dia no auge do tesão ela me diz baixinho:
- Eu topo, mas será do meu jeito.
Nossa, meu coração disparou, não sabia o que dizer fiquei parado esperando que ela desse continuação a conversa mas ela não disse nada e começou a mexer os quadris de forma sensual a prazerosa, me levando a loucura, gozamos muito, que delicia de mulher, como é linda.
Depois disso fiquei esperando ela se manifestar e nada, pensava, se tocar no assunto ela pode achar que estou forçando a barra e tudo pode ir por água abaixo, e foi assim que esperei, até que em outro momento de intimidade toquei no assunto:
- E aí, Martinha, outro dia me disse coisas que mexeram com minha imaginação e não disse mais nada, está me torturando gata? Não sei se ouvi direito.
E para minha surpresa ela disse:
- Falei sim meu amor mas será do meu jeito.
Então ele falou:
Primeiro: Será com um desconhecido.
Segundo: Você estará junto comigo mas não verá, não teria coragem.
Terceiro: Será em nossa casa.
E quarto: Não sei se terei coragem de me entregar na primeira vez, se for assim?
Não é preciso ser um vidente pra descobrir minha resposta, e então comecei a pensar em como seria a escolha, não poderia chegar em qualquer um e oferecer minha esposa, e depois de muito pensar resolvi que seria em uma casa de swing, e assim fizemos.
Ao chegarmos na boate, um atencioso funcionário nos mostrou a casa, e os olhinhos dela brilhavam com tanto sensualismo que a casa e a situação ofereciam, e ficamos sozinhos andando pelos os ambientes, até que paramos em uma sala, onde um casal fazia sexo, e em volta, vários homens observavam e um desses caras se aproximou de nós e disse:
- Que mulher linda meu amigo!
Gelei, estava começando, Martinha me olha e depois se vira para o homem e agradece o elogio, ele muito à vontade, pega em sua mão e diz:
- O que posso fazer para agradar tão lindo casal?
E Martinha diz pra ele:
- Meu marido sonha em me ver com outro e resolvi dar esse presente pra ele.
Nesse momento confesso que fiquei surpreendido com a resposta dela, na lata, sem titubear, achei que ficaria envergonhada, mas fez o papel de puta que eu tanto queria.
Depois disso ele aceitou as condições ,é claro, e fomos juntos com aquele desconhecido, para nossa casa, lá chegando, abri a porta e entrei, e qual foi a minha surpresa, minha linda e virtuosa esposa entra de mãos dadas com nosso amigo, e eu sem saber o que fazer... então ele fecha a porta e ali, sem cerimônia, abraça Martinha e a beija, foi indescritível o que senti, minha mulher nos braços de outro, e ele passeando a língua dentro da boca de minha amada esposa, e apertando sua bunda, e retirando seu curto vestido a deixando só de calcinha e sutiã, o pior foi o desprezo dos dois comigo, é como se não estivesse ali.
Então Martinha o leva em direção a porta de nosso quarto, e eu tremo de medo, arrependimento ou tesão, não sei. Ela entra levando ele pelas mãos e a porta se fecha, fico paralisado e então tomo coragem e me dirijo à porta e tento ouvir algo, e o silêncio é ensurdecedor, minha vontade de entrar é grande e de repente ouço os gemidos dela.
Imagino ela deitada de pernas abertas e ele chupando sua buceta depiladinha e com o grelinho pra fora e ela quase gritando de tesão, o chama de gostoso, de meu macho como se estivesse a me castigar, ouço agora barulho na cama e grunhidos diferentes e imagino ser dele, este estranho que está se deliciando com minha Martinha agora certamente está com o pau na boquinha de minha amada, e conhecendo bem ela deve estar passando a língua de cima a baixo de seu pau antes de abocanhar, e ao mesmo tempo acariciando suas bolas. Ele geme com o calor de sua boca com suas caricias que até então eram só minhas.
Agora minha cama faz barulho, um barulho que conheço bem, a cabeceira batendo na parede, ACONTECEU, ele a penetrou, ele geme, grita e eu ali sentado no chão enquanto à dois metros de mim ela dá sua bucetinha pra um estranho, e não esconde o quanto está gostando.
Sinto um misto de vergonha, medo, tesão, quero entrar mas não tenho coragem, e a medida que os gemidos aumentam o barulho diminui e constato que o cara à fez gozar, agora ela é puta.
Passados alguns minutos, que para mim foram horas a porta se abre, ele sai trazendo Martinha pelas mãos e manda ela se sentar na poltrona à minha frente, e sai em direção ao banheiro, fico parado sem coragem de encarar minha Martinha, e por fim olhei e ali estava ela, sentada com as pernas fechadas de cabeça baixa e devagar levanta os olhos e me encara, não resisto e me ajoelho à sua frente, abro gentilmente suas pernas e vejo o que restou de sua bucetinha, e realizo meu sonho.

Chupo, chupo muito sua buceta. Agora sei, sou corno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...