345 - ACABEI TRAINDO MEU MARIDO

Meu nome é Lu, e sou casada há 7 anos e sempre vivi muito bem no universo familiar, amo meu marido, temos uma linda e querida filha de 4 anos, tenho 36 anos, 1,60 e medidas distribuídas por um corpo que não tem jeito… sempre alguém dispara como irretocável, um tesão, delícia e etc.
Sou morena clara, cabelos longos, talvez mais uma razão porque sempre gostei de malhar, fazendo uma manutenção constante de minhas formas exuberantes, um lindo bumbum, cintura fina, manequim 38/40, coxas lisas e grossas, seios do tipo médio e durinhos, mesmo já tendo o privilégio de ter amamentado, meu rosto e boca do tipo sensual, além da boa alimentação que não dispenso.

Sexualmente sempre fui uma mulher ativa e repleta de tesão em casa, adoro sexo e bem realizada em meu casamento, muito animada, gosto de experimentar tudo, e meu marido sempre muito criativo adora apimentar nossas transas com sussurros de fantasias e loucurinhas pra lá de eróticas, e sempre fica aquele gostinho de quero mais e vamos realiza-las. Residindo aqui no Rio de Janeiro, levamos uma vida normal, temos uma boa casa, 2 carros e financeiramente melhor a cada ano.
Trabalho como gerente em uma sofisticada loja de calçados e acessórios na zona sul, comecei como vendedora, e ela pertence ao melhor amigo de meu esposo e há exatos 3 anos assumi tal responsabilidade na qual faço muito bem a minha parte devido à grande experiência que carrego em meu currículo.
Ele tem a mesma idade de meu marido, que indicou-me para o respectivo trabalho na loja, por fim, nosso amigo em comum, afinal já nos conhecemos há 7 anos, tempo que namorei e casei.
Em pouco tempo fui convidada para assumir a função de gerente, e com isso surgiu a necessidade de a cada 3 meses ir a São Paulo com meu patrão para acompanharmos as novas coleções e compras de produtos, estudando em conjunto diversos detalhes específicos do setor.
Ocorre que pela grande intimidade familiar, amizade de todos os lados que envolvem meu marido, a esposa de meu patrão, as viagens que sempre fizeram juntos, desde nossa primeira viagem a São Paulo, sempre compartilhamos o mesmo apartamento no hotel, pois saímos na madrugada de um dia e voltávamos no final da tarde do outro dia, havendo por tanto a necessidade de pernoite.
E mesmo ficando sem jeito como mulher casada em dividir uma suíte com outro homem, diante de tamanha amizade já quase familiar, acabo não me pronunciando e concordando silenciosamente, temendo até ser indelicada, e meu patrão para compensar a economia de uma única suíte, acaba investindo no conforto e recursos de lazer.
Sempre optou por suítes com camas de solteiro, questão de bom senso e o total respeito nunca faltou, pois sempre essas viagens foram oportunas para conversarmos e definirmos as importantes compras que sempre fechamos no dia seguinte.
E acaba sendo legal a companhia e não ficarmos sós, um em cada suíte, no fundo, detestamos pra falar a verdade ficarmos sós em viagens cada um em sua suíte, fica monótono. Mas não tem jeito a cada viagem percebia que a intimidade aumentava, e as vezes nem dava por si, tenho o hábito de usar lingeries super sensuais em casa, coisas de mulher que adora agradar ao marido, não tenho quase nada mais composta, ele mesmo compra peças muito provocantes.
E ao fazer as malas é automático, pego o que mais me faz sentir mulher, sensual e provocante, afinal, sete anos de casada, muito sexo e amor, mas lá no hotel nunca arriscava tal exposição, o bom senso recomenda não provocar por maior que seja a sensação de tamanha amizade e aparente desinteresse e sempre me visto na hora em que meu patrão entra para o banho e rapidamente coloco um roupão, esse por sinal esconde todo meu exuberante corpo e como diz o ditado, o que os olhos não veem… coração e tesão não sente, e independente de qualquer coisa ele é um homem e também atraente e atlético em seus 1,81 de altura, por isso, por segurança só tiro meu roupão na hora de dormir, aí já debaixo do lençol e luzes apagadas é tranquilo.
Há coisa de 8 meses atrás a nossa loja foi convidada a participar de uma Feira internacional, um megaevento do setor de calçados e acessórios, e ficamos 4 noites em São Paulo, e diante de um evento de âmbito internacional e grande relevância para o setor, que movimentou todo setor hoteleiro e pousadas, acabamos por conseguir somente uma suíte casal e das mais caras, num tradicional cinco estrelas em Pinheiros, pois as mais simples já teriam sido reservadas há um bom tempo, pôr fim na chuva é para se molhar.
A noite após a Feira, saímos direto como de costume para jantar, e pela primeira vez ele pediu uma garrafa de vinho para brindarmos o sucesso do primeiro dia da Feira, e de tamanha a qualidade do jantar e respectivo vinho, acabamos bebendo mais outra garrafa.
Ao chegarmos no hotel, percebi desfazendo a minha mala, momento que eu desejava pegar algo para vestir após o banho para dormir, que esqueci meu roupão, foi talvez a pressa para não arriscar perder o voo, e justo na situação de ficar numa unidade casal, embora com uma grande cama Kingsize, aparentemente daria para mantermos uma distância segura, relativamente longe um do outro.
Dei um tempo, disfarcei e começamos a conversar mais um pouco, perguntou-me se ia dormir naquela hora também, e eu disse:
- Ainda vou ver o Jornal da Globo.
Pois em hipótese alguma queria que ele visse as lingeries que havia levado, mas se tivesse com meu roupão não haveria nenhum problema, conforme outras viagens, mas dormir de Jeans realmente não daria, e esperei que ele pegasse no sono após um bom e demorado banho quente. Nessa viagem em especial senti que ele estava um pouco excitado com tudo aquilo, os quatro dias de feira longe de nossas famílias, e claro não posso negar uma sensação de liberdade como nunca havíamos experimentado.
Percebi também que o vinho estava fazendo efeito e não demorei a ir para a suntuosa cama, coloquei minha sexy lingerie, repleta de transparência e belíssimo decote que equilibravam entre soltar e esconder os meus belos seios, coloquei uma linda e pequena calcinha preta com micro lacinhos, em que uma simples puxadinha dividiria a mesma em duas micro partes distintas, que escondem no que for possível uma obrinha de arte, com lindos lábios carnudos e um belo e delicado corte que esconde uma tentadora e bem depilada portinha, e parece ter sido feita com um bisturi, mas ao ficar cheia de tesão fica logo semi aberta, diz sempre meu marido.
Olhei-me no espelho e pensei nas ótimas noites de muito sexo que já vivi com meu marido e assim fui deitar-me naquela situação que confesso um pouco excitante para mim também, sentindo-me um pouquinho alta após o delicioso vinho e o cansaço de um dia de trabalho, e nem dei por conta dormi em sono profundo mas antes como de costume acariciando minha xaninha lembrando de boas fantasias e como estava meu marido e minha linda filha.
Ao acordar tomei um susto, percebi que estava totalmente nua, minha pequena lingerie havia subido enrolada carinhosamente como fosse um pergaminho, meus seios totalmente de fora e minha pequena calcinha de lacinhos… estava na outra ponta da cama, tirando assim a pequena proteção que encobria minha linda bocetinha.
Parei… respirei… pensei… e já não tinha dúvidas, estava com uma sensação de ter sido muito comida a noite toda! Meu patrão ainda dormia ao meu lado, com ares de sono profundo e justificado cansaço, e ao enfiar meu dedo na minha xaninha, percebi que estava lubrificada demais e haviam indícios e um cheiro de muito sexo.
Notei também uma certa dormência em meu cuzinho, que também sem explicação estava bem lubrificado talvez com um gel KY, e com jeito de penetrado talvez por um de seus dedos, talvez enquanto provocava minha convidativa boceta em tal situação de pura perversão e invasão total da minha intimidade corporal.
Esse é um sério problema que tenho, sono muito pesado e principalmente se bebo vinho, e se bolinada pareço entrar numa espécie de transe sexual e fico com ares de uma verdadeira puta, repleta de tesão e correspondendo aos devassos estímulos do ousado, e sacana de meu patrão.
Como meu patrão estava em sono profundo e seu corpo parcialmente descoberto percebi que seu pau estava para fora de um pijama curto, e pra falar a verdade me surpreendi com o tamanho e espessura do que vi, aproximei meu nariz e percebi que o cheiro era o mesmo de minha boceta.
Toquei no meu patrão para acorda-lo, inicialmente estava desapontada e queria uma imediata explicação, mas nem se mexeu, pensei:
“Como agir?”
“Acabar uma amizade?”
“Um ótimo emprego?”
“Estragar a amizade de meu esposo?”
“E ele acreditaria?”
Afinal já tínhamos imaginado mil fantasias de todo o tipo. Sempre adoro suas surpresas e novidades, e na vida a dois quando de comum acordo e confiança recíproca tudo é válido, nada é demais.
Quer saber? Refleti sobre como estava vestida, minha sedutora lingerie, minha pequena e sexy calcinha de lacinhos, e talvez a excitação até compreensível de meu patrão acordar diante da oportunidade de me ver assim, talvez meu lençol tenha saído de meu corpo, ou até mesmo ele calmamente puxou-o para saciar sua curiosidade de ver o meu corpo, devia estar tal qual um maravilhoso banquete, exposto, o delicioso vinho no jantar, brindamos nosso sucesso na feira, sei que o astral conspirava a favor de qualquer sonho ou fantasia, aí percebi que não valeria a pena.
E pensei… estou desejando sentir como é experimentar o sexo de alguém em sono profundo, já estava consumado mesmo, talvez no inconsciente eu o tenha provocado, meu marido diz que me mexo na cama e involuntariamente em sono profundo meu corpo busca por aconchego, calor, e muitas vezes rebolo de leve, certamente achando em sono profundo que eu estava com meu marido, afinal justo nessa noite sonhei estar numa transa muito louca com meu marido, aquelas que acontece por toda noite, que usa brinquedos simulando uma D.P.
E devo ter rebolado mesmo, quem sabe eu mesma puxei os lacinhos e ao sentir sua pica muito dura, e não teria como não ficar… mesmo dormindo devia estar cheia de tesão, e certamente ao contato de sua pica colossal, fiz a minha parte e empurrei minha boceta que devia estar inebriada de desejos para ser muito comida, isso meu marido já havia me dito, que eu dormindo era páreo duro com meu estado de acordada, mas isso tenho a certeza, o vinho fez a sua parte.
Mas imagino o quão foi sorrateiro meu patrão, deve ter dado mil linguada na minha boceta, ao lentamente ir percebendo que não acordava, e talvez correspondendo cada vez mais suas investidas libidinosas, pois quando durmo, meu esposo diz que gosto de ficar meio de lado e barriguinha meio para baixo, gosto de colocar um travesseiro abaixo dela situação que meu exuberante bumbum fica bem mais exposto, pronunciado e facilitando ao máximo brincadeiras maliciosas nessa indefesa hora, como lambidas, dedinhos carinhosos, preliminares para preparar meu lindo bumbum para a sobremesa.
E minha boceta costuma ficar quando provocada semi aberta, e não tem jeito, dei asas a toda a sorte de fantasias ao meu patrão, e ele não deve ter pregado o olho, diante de uma belo banquete servido ali… ao seu lado, um portfólio de iguarias, todas disponíveis para o total consumo.
Por fim acordada, experimentei com o maior cuidado dar o troco no meu patrão, e lentamente fui colocando a cabeça do pau na abertura macia e aveludada de minha boca, e tinha a certeza que chupara muito aquele pau mesmo dormindo, faço muito isso com meu marido, e certa vez meu marido gozou muito na minha boca, e aí fui dando lambidas cadenciadas aonde me fizeram perceber a mágica do crescer e agora eu bem acordada e a essa altura tomada de muito tesão, diante de meu patrão dormindo.
E agora ele é que estava indefeso, fez surgir um lindo pau para cima, e lentamente tirei-o de minha boca que não queria parar mais de chupar, levantei-me e com muito cuidado fui introduzindo aquela grande pica e de cabeça até maior que a de meu marido na minha grutinha, há… eu tremia de tanto tesão nessa hora surreal, que experiência única em minha vida, e comecei a cavalgar lentamente quando ele após uns quinze minutos por fim acordou, também esboçava um ar de felicidade, e como instintivo foi se encaixando cada vez mais dentro de mim.
E foi uma loucura total, naquela manhã não houve limites, e que disposição ele estava, talvez o sacana premeditando tudo isso em obscenas fantasias, tenha tomado um azulzinho, pois não parava de meter e já com minha xaninha entregue ao destino, arrombada ao extremo, ele pediu-me:
- Deixa eu experimentar sua bundinha.
Isso era uma coisa que a esposa dele não dava, era muito conservadora e dizia:
- Com um pau daquele tamanho ela não conseguiria.
Mas eu já não tenho esse problema com meu marido, pelo contrário adoro o sexo anal, e ele sempre finaliza no meu assediado bumbum.
Quanto ao meu patrão… só conversamos depois sobre toda essa loucura. O sacana disse que eu tomei toda a iniciativa dormindo e não havia volta, pois seu pau estava latejando, e diante de tantas fantasias reprimidas que ele evitou em nome do bom senso e da amizade mútua que haviam passado por sua cabeça em outras viagens, e sempre ele fugia de tais pensamentos, mas cada vez mais presentes, mas dessa vez a situação foi cruel em termos de amizade e que ao ver minha bocetinha semi aberta após umas mil lambidas, não mais resistiu.
Após ele confessar que chupou-a por mais de meia hora, colocou em seguida seu pau por muito tempo em minha boca, aonde ele disse ficar num tira e põe e eu correspondia como fosse uma deliciosa chupeta em tempos de criança, um sacana, um pegador astuto.
Daí entendi meus sonhos devassos com meu marido, ele me lambia, e como imaginei comia minha boceta e enfiava o dedo de leve, alternando em minha boceta e no cuzinho bem lubrificado por um gel que havia no hotel e por isso meus sonhos me levaram a loucura, talvez sonhando com uma louca DP, como havia dito.
Voltamos após quatro noites de muito sexo, aonde rolou de tudo e prometemos um ao outro nunca mais rolar nada, afinal não queremos acabar com nossos estáveis e prazerosos casamentos, mas ao voltar para o Rio achei que meu marido ficou pela primeira vez cismado, talvez por deixar na hidro um creme personalizado do hotel e pelo que o conheço, se teve dúvidas ele se disfarçou do próprio amigo ao telefone e inventou um pretexto via telefone para saber detalhes da acomodação, fiquei pensando:
“Será que ele mexeu em minha mala?”
“Viu minhas calcinhas e lingeries e sem roupão mesmo?”
“Se soube aonde ficamos?”
Verdade seja dita: Uma suíte digna da melhor lua de mel… e foi! Pois achei que meu marido me comeu com um tesão que nunca havia visto ao voltar para casa, uma semana direto me devassando e prometendo fantasias que se forem realmente realizadas vão dar uma super e excitante estória, será que fantasiou tudo nessas quatro inesquecíveis noites?
Talvez no íntimo tenha se excitado demais, por tudo o que sussurrou em meu ouvido repleto de tesão por tudo ainda muito presente em minha mente.

Saldo positivo para todos nós, foi muito bom, mesmo tendo a certeza que não terá outra vez por aqui, recomendo aos casais uma revirada em suas vidas, para upgrade na relação. Ainda delirando pela única aventura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...